Julieta Capuleto x Giulietta Tolomei – PARTE 15

— Esse é o cemitério… De minha família, alguns entes queridos nossos estão aqui.

— E por que me trouxe aqui?

— Porque ninguém ousa vim aqui, por temer a morte… E você quer, que iremos parar nesse lugar senhorita Tolomei?

— Se for em nome do que eu sinto por você, eu iria com muito prazer…

— Não fale bobagem! Mal me conheces…

— Ahhh… Você quem pensas, querida Julieta. Nós nos amamos durante séculos, e nosso amor foi até imortalizado em rochas! Peças… Filmes, poesias. Somos uma das maiores amantes da história. E você renasceu pra mim, e eu pra você. Porém o que muda, é que hoje sou uma mulher, e podemos provar… Que o amor, não escolhe a quem amar, e que nossas almas são conectadas há anos.

— Por isso quando eu te olhei… Parecia te conhecer há anos. E o que faremos agora?

— Eu irei pedir sua mão, pra conceder-me uma valsa… E quando acabar, pedirei então outra coisa…

— Mas com que música?
— A dos nossos corações cantando através de suas fortes batidas! Não escutas o tum tum deles, minha amada?
— Agora que você se calou… Pude ouvir! (Risos)

Ela encostou sua cabeça em meus ombros, e fui dançando lentamente com ela naquela área totalmente isolada do jardim… Até que, Julieta levanta a cabeça, e me olha séria.

— De que vale um nome… Se o que chamamos rosa, sob outra designação teria igual perfume?

— Meu coração amou antes de agora? Essa visão rejeita tal pensamento, pois nunca tinha eu visto a verdadeira beleza antes dessa noite…

— Não sou tão bela assim, pois o meu sobrenome e nome carregam anos de maldição, como podeis então? Amar uma pessoa como eu?

— Eu quem pergunto, como podeis se interessar por uma mulher, na qual nunca havia visto, só ouvido falar? E saber que somos inimigas mortais!

— O amor aposta tudo o que tens! E cabe a nós aceitar ou, não. E eu escolhi aceitar e ver como és… Amar outra mulher! Eu estou apaixonada por ti. A inimiga agora passa a ser a amante de uma inimiga.

Julieta uniu o calor de seus lábios aos meus… E senti meu corpo derreter, minha alma florescer, era como beijar o mel e depois receber as ferroadas por tal atrevimento, mas eram ferroadas deliciosas de se sentir… Eu poderia ser purificada por todos meus pecados naquele beijo santo de Julieta, a maior inimiga da história, sendo a minha amante.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s