Stonewall o filme

A 27 de Junho de 1969 a polícia voltava a entrar num bar gay de Greenwich Village, o Stonewall Inn. A perseguição das autoridades aos homossexuais, feita com o apoio do governo, era coisa comum mas, naquele dia, aconteceu algo extraordinário – os clientes resolveram enfrentar as investidas e foram à luta. E esse confronto, que ficou conhecido como a revolta de Stonewall, acabaria por passar à história como o momento fundador do movimento LGBT nos Estados Unidos.

Desde essa noite e até que o Supremo Tribunal dos EUA se pronunciasse a favor do casamento entre pessoas do mesmo sexo passaram quase 50 anos.

962841O realizador Roland Emmerich conta a história desse episódio em Stonewall, que tem a estréia americana marcada para 25 de Setembro e que tem vindo a agitar as redes sociais, dando origem a protestos e até petições assinadas por mais de 40 mil pessoas que apelam ao boicote ao filme, segundo a Hollywood Reporter. O motivo? A partir do trailer, lançado na semana passada, muitos acusam o realizador de “branquear” a verdadeira história do movimento de luta pelos direitos LGBT nos Estados Unidos ao ignorar os seus protagonistas, as drag queens e transgêneros negros e latinos que a impulsionaram.

O trailer parece indicar que o filme de Emmerich se centra num personagem de ficção – Danny Winters (interpretado Jeremy Irvine dá vida) é um homem branco do Midwest que se muda para Nova Iorque depois de ter sido expulso de casa pelos pais e que acaba por se ver envolvido nos confrontos em Greenwich Village.

Larry Kramer, dramaturgo de 80 anos que é o autor de The Normal Heart, peça que os Tony premiaram, diz que são simplesmente “loucos” os que apelam ao boicote. Segundo o Gay Star News, site dedicado a notícias relacionadas com a comunidade LGBT, o reconhecido ativistas pelos direitos dos homossexuais fez os seus comentários na página de Facebook de Emmerich, em que o realizador já se defendera das acusações dos organizadores da petição e de todos os que apoiam a campanha contra Stonewall.

Mezzanine_672“Não dêem ouvidos aos loucos”, escreveu Kramer. “Por alguma razão há um grupo de “ativistas” que insiste em manter fundamental a sua importância e participação nos confrontos. Infelizmente, parece que não há ninguém vivo para dizer ‘não foi nada assim’ ou ‘quem são e onde estavam vocês’.”

A indignação do dramaturgo transforma-se mais à frente numa condenação direta ao boicote e na defesa das liberdades artísticas: “Espero sinceramente que esta merda do boicote ao filme se desvaneça. Não temos que fazer um novo conflito. Impedir que o teu filme seja visto só nos prejudicará. Boa sorte e obrigada pela tua paixão.”

Emmerich, o realizador de O Dia Depois de Amanhã e também é homossexual, defendeu-se dos que apelam ao boicote dizendo tudo ter feito para que os acontecimentos fossem contados de forma fidedigna, mas sem abdicar de elementos de ficção. Afinal, Stonewall não é um documentário. “Temos drag queens, lésbicas, temos tudo no filme porque quisemos dar uma imagem alargada do que significa ser gay”, disse o realizador à revista Vulture.

Stonewall Trailer | In Theaters September 25

Jon Robin Baitz co-autora do guião citada pelo diário britânico The Guardian, assegura que o trailer promocional, da responsabilidade da equipe de marketing, não espelha a diversidade étnica e racial que o filme contém: “Dirijo-me às pessoas que estão zangadas com um filme que ainda não viram e peço-lhes que, de coração aberto, deixem que ele seja julgado pelos seus próprios méritos e não pelos do departamento de marketing, porque o marketing é inteiramente baseado no medo enquanto a arte se baseia na raiva na esperança e no fogo.”
Fonte: Publico – Portugal

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s