BULLYING NÃO É BRINCADEIRA

Suicídio de garota-propaganda mirim após bullying choca Austrália. Família de Ammy ‘Dolly’ Everett, morta aos 14 anos, convidou agressores da filha para funeral e fez apelo para que as pessoas tenham mais consciência dos riscos do bullying.

Segundo a família de Ammy “Dolly” Everett, ela se matou depois de ser vítima de bullying. Em um postagem no Facebook, o pai da garota, Tick Everett, fez um apelo para que se tenha mais consciência sobre o problema, para que a trágica história da filha “não seja desperdiçada”.

Dolly era garota propaganda da Akubra, tradicional marca de chapéu australiana. A empresa, além de expressar condolências, também fez um apelo para que as pessoas “se ergam” contra qualquer tipo de bullying.

Abaixo vemos a publicação emocionada do pai sobre a morte de sua filha:

Estamos chocados e angustiados ao ouvir a passagem de “Dolly” – a jovem que muitos reconhecerão nos nossos últimos anúncios de Natal. Esta foto bonita foi tirada há 8 anos. Dolly escolheu acabar com sua vida para escapar do bullying que ela estava sendo submetida. Ela nem tinha 15 anos de idade. Pensar que qualquer um poderia sentir-se tão sobrecarregado e que o suicídio era a única opção que isso era insondável. O bullying de qualquer tipo é inaceitável. É abuso e é hora de nos levantar quando vemos qualquer tipo de comportamento de bullying. Dolly poderia ser a filha de qualquer um, irmã, amigo. Precisamos ter certeza de que qualquer um em crise sabe que há sempre alguém com quem falar. Seja um amigo, confira seus companheiros. Nossos corações vão para a família e os amigos de Dolly. Amy ‘Dolly’ Everett 1.5.2003-3.1.2018
#stopbullyingnow #doitfordolly #justbekind

Convite para funeral
Everett convidou para o funeral da filha aqueles que praticaram repetidos atos de violência física e psicológica contra Dolly.

“Se, por acaso, as pessoas que pensaram que era só uma piada e que se sentiram superiores pelo bullying e assédio constantes virem essa postagem, por favor, venham à cerimonia e testemunhem a ruína que criaram”, escreveu o pai.

A família divulgou um comunicado à imprensa dizendo que Dolly era “a alma mais gentil, atenciosa e bela”. “Ela estava sempre cuidando de animais, crianças pequenas e de outras crianças menos afortunadas na escola”.

A família compartilhou ainda um desenho recente feito pela filha, mostrando uma figura magrinha inclinando-se para trás com os dizeres: “Fale mesmo se sua voz tremer”.“Essa mensagem poderosa indica o lugar escuro e assustador para onde nosso lindo anjo viajou”, diz o texto.

De acordo com a emissora australiana ABC, a família também disse que gostaria de criar um fundo para ajudar a conscientizar sobre bullying, ansiedade, depressão e suicídio juvenil.

‘Dolly poderia ser a filha de qualquer um’
Ammy “Dolly” era garota propaganda de um dos símbolos mais conhecidos na Austrália: o chapéu de pele de coelho com abas largas, normalmente associado à vida no campo.

Ela estrelou uma bem sucedida campanha publicitária da Akubra quando tinha oito anos.

“Bullying, de qualquer tipo, é inaceitável”, escreveu a empresa no Facebook na terça.

“Cabe a nós reagir quando vemos qualquer tipo de bullying. Dolly poderia ser a filha, irmã, amiga de qualquer um.”

A companhia fez um apelo aos leitores da mensagem: “Seja um amigo, fique atento aos seus amigos”.

Resistência em denunciar
De acordo com o Centro Nacional contra o Bullying da Austrália (NCAB, na sigla em inglês), apesar de as taxas globais terem ligeiramente diminuído ao longo da última década, há o registro de mais casos na esfera virtual.

“O que difere o bullying virtual é que ele pode ser constante, 24 horas, sete dias por semana”, disse à BBC Jeremy Blackman, da NCAB.

Segundo ele, outro fator relevante é o anonimato promovido pela internet, que pode dificultar a empatia com as vítimas de bullying.

“Isso significa que mais crianças podem praticar bullying”, diz Blackman.

Apesar dos serviços de ajuda disponíveis, adolescentes tendem a resistir em comunicar quando são vítimas de bullying, segundo a NCAB.

Ele costumam procurar por ajuda apenas quando a situação fica insuportável.

Não há estatísticas oficiais sobre suicídios relacionados ao bullying. No caso da Austrália, as taxas de suicídio estão caindo de forma geral. No entanto, há um registro de aumento entre pessoas com idade entre 15 e 24 anos.

Um comentário sobre “BULLYING NÃO É BRINCADEIRA

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s