Precisamos falar sobre condenações

Eu me separei.

Essa frase é o suficiente para começarmos falando sobre condenações: A de todos os envolvidos direta e indiretamente, a quem ouviu de um lado e não de outro, a quem sinceramente só quer ver sangue e a quem, de um modo ou de outro, se interessa pela fofoca.

Há uma semana, chorei demais ao perceber que nada, em nenhuma hipótese, vai fazer com que eu não esteja e seja condenada.

As pessoas em comum não falam comigo, o que entendi – depois de um tempo – ser perfeitamente natural, já que ouviram apenas um lado. O lado considerado mais fraco.

Depois de três meses de achincalhamento público nas redes sociais, e sem nenhuma resposta da minha parte, eles me consideraram culpada. Por tê-la ‘deixado’, por tê-la ‘traído’, por ser um ‘monstro de duas caras’.

Não foi nada disso, mas ‘quem cala, consente’. E eu havia resolvido ficar quieta sobre o assunto. O resultado é gente me odiando, parando de falar comigo e até virando a cara em público, estando acompanhada ou não.

O ódio gratuito saiu de mim para minha namorada. As pessoas a odeiam, me disseram. Natural, já que acham que houve ‘traição’.

Nenhuma dessas pessoas veio me perguntar o por quê de eu ter saído de casa, nem quem me conhece pessoalmente, nem quem tem meu telefone particular – que é praticamente público.

Mas se as pessoas só se importam com o lado mais fraco, por que eu não falei do relacionamento abusivo?

Porque por mais que eu explicasse e desabafasse, sempre pareceu que ‘eu estava exagerando’ e não deveria expor nada.

Ou seja, calada eu consenti. Falando, estou errada. Natural, né?

Não, não deveria ser natural uma condenação sem direito de defesa, provas e testemunhas em favor do réu. Mas aconteceu, e eu não posso fazer mais nada a respeito.

Estou condenada.

E chorei muito semana passada.

E, essa semana, percebi que não dá para falar com cada um e dizer o que houve, como disse uma sábia amiga minha.

Então, decidi pelo conselho de uma outra amiga: caguei.

Estou condenada, isso não irá mudar.

Então, continuo a viver a minha vida, a tentar ser feliz com o que me restou, mesmo com este quebra-cabeça que vos escreve estar com peças faltando, outras danificadas para sempre e ainda as que se perderam por aí.

Existe uma boa notícia, eu juro.

Mas eu te conto só semana que vem. 😉

Por: Juçara Menezes

4 comentários sobre “Precisamos falar sobre condenações

  1. Será que meu comentário não vai ser aceito de novo? Depois que vi esse texto em um tweet do 1minutonerd, tive que clicar e ler sobre esse tão falado relacionamento abusivo (já que este mesmo texto não está nas suas outras redes sociais) – e corria o risco de ser apagado, como sempre….. Na verdade, precisamos falar sobre consideração e respeito. Conheci as duas enquanto ainda era uma e há pouco tempo soube de todo o processo dolorido enfrentado que as duas passaram. Já não estão seguindo com suas pessoas? Ninguém te julgou… você mesma é quem faz questão de ficar expondo constantemente coisas sobre esse relacionamento que já terminou! Contrário do que a outra parte fez, passou pelo processo de ‘luto’ e saiu disso sem precisar falar mal de você para ninguém, nem nas redes sociais (pois tudo o que ela postou na época eram coisas tristes referente ao momento)…. Aliás, entre o amigos é unânime: ninguém te suportava. Você é quem sempre a podava e nos deixava desconfortáveis quando iamos na sua casa. Nunca ouvimos falar mal de você da boca dela… foram suas atitudes que nos fizeram vibrar com o término do sofrimento dela. Por isso nunca ninguém te julgou, apesar dos flertes públicos e ser uma chata com amigos dela, que não são nerds (rss), e agora são os mesmos que você lamenta não ter mais contato. Quem está julgando é você, que acha que deveríamos aceitar essas coisas. Karma is a bitch, meu anjo. Por isso a gente tem que ter consideração, pois nem só lembranças ruins mantiveram esse casamento, aos trancos e barrancos, em pé

    Curtir

  2. Boa noite, seja lá quem você for, o texto é uma crônica pessoal de uma de nossas colaboradoras. Problemas pessoais devem ser resolvidos pessoalmente. Relações e rompimentos sempre ocorrem e irão ocorrer. Infelizmente nem todos sabemos lidar com estes acontecimentos. Sugiro luz e amor aos corações de todos os envolvidos sempre e que haja paz e felicidade.
    Abraços.

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s